segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

(Resenha #23) A Estranha Mente de Seth de Alana Gabriela

       Olá leitores, tudo bem com vocês? Espero que sim. Hoje estou muito feliz, porque acabei de ler e resenhar um livro muito bom e o melhor de tudo ele é brasileiro. A própria autora entrou em contato comigo e me mandou o PDF do livro e eu agradeço muito a ela, pois a experiência que eu tive com esse livro foi das melhores.
        
        Sobre a autora: Alana Gabriela, 19 anos, estudante de Letras Português – Inglês na UFS, blogueira, compositora e escritora estreante. Gabriela é viciada em séries: Grimm, The Blacklist e The Walking Dead;  Leituras imprevisíveis, rebuscadas e músicas indie-folk e R&B. Ama ler o dicionário de inglês e português e olhar para o céu em dias de chuva.

Informações
Título:
A Estranha Mente de Seth
Autora: Alana Gabriela
Editora: Autografia
Ano: 2015
Nº de Páginas: 146
Nº de Capítulos: 16
Skoob5/5
Lojas: Loja da Editora e Loja da Amazon

Resumo: A história se passa em Kentauk que está sob o poder do Império Birron e nós estaremos na mente de Seth e veremos o mundo pelos seus olhos. A primeira informação que teremos contato, é que, mesmo estando em Kentauk, os cidadãos birronenses, tinham mais direitos e eram mais respeitados.E isso indigna muitas pessoas, principalmente nosso protagonista Seth, que entra para uma organização terrorista que visa tirar o poder que o Império Birron tem sobre Kentauk, chamado: Face Negra. Fazendo igual ao seu maior ídolo: Antonie Latos
         Seth teve 7 irmãos, 6 morreram por causas diversas, principalmente por doenças. Seu único irmão vivo e mais velho Calisle, o levou para a cidade grande a fim de estudar e assim talvez ter um futuro melhor do que teriam se continuassem onde estavam. Seu cotidiano é sempre o mesmo principalmente durante o jantar, no qual todos comem calados e depois sua mãe, Nira, ouve as reclamações do trabalho de seu marido, Ferdinand.
        Na escola em que Seth estuda também estudam birronenses, e um dia a professora Mary propôs um debate, mas ela não contava que depois desse debate as coisas iriam mudar em sua vida. Se iniciou o debate e a sala se dividiu em dois, de um lado o povo de Kentauk e do outro os Birronenses, durante Seth começou a perceber que enquanto seus conterrâneos falavam o povo birronense fazia barulhos, em outras palavras, estavam sendo mal educados, mas chegou a vez de Seth se pronunciar, no começou ele se segurou, mas não aguentou e elevou sua voz de um jeito que ninguém antes tinha visto e isso fez até o "inimigo" prestar a atenção, quando finalmente o silêncio acabou começou a briga entre os dois tipos de povos dentro de uma sala de aula, até que a polícia chegou e levou os briguentos para a delegacia. Agora Seth tinha duas opções, poderia ligar para seus pais e causar um reboliço em sua casa ou morrer na prisão, mas eis que chega uma pessoa, e... vocês terão que comprar o livro para saber.



Crítica: Primeiramente, não pense que dei 5 estrelas no skoob só porque ela me enviou o livro, vocês sabem que eu não sou assim, dou minha opinião verdadeira, não importando se ela será um elogio ou uma crítica ruim.
      Esse livro eu posso resumir em uma palavra: Espetacular. Confesso que quando peguei esse livro eu não pensava que ele seria tão bom, calma deixa eu explicar, eu pensava que ele seria um livro bom, com uma história com começo, meio e fim, que nem muitos outros, mas eu me surpreendi, provavelmente porque eu costumo ser muito pessimista em relação aos livros que eu ainda não li, quase nunca pensando o melhor deles, com exceção de alguns que através de resenhas eu me identifiquei, eu comecei a leitura desse livro assim, e me maravilhei.
      Eu imagino como deve ser difícil criar um personagem psicopata, e ainda mais se o livro for em primeira pessoa como é esse. No decorrer da trama você encontrará uma personagem, não vou dizer seu nome, mas que Seth a acha a ideal e por isso ele faz algo com o namorado dela, é muito louco essa parte.
      Antes de começar cada capítulo, terá um trecho de música "retirada" de um tal caderno de Seth, e esses trechos, meio que resumem cada capítulo, isso eu achei brilhante. Além também de em praticamente todos os capítulos ter alguma frase que contém um efeito muito grande, abaixo vão alguns exemplos que eu encontrei, deve ter mais, mas esses foram os que mais me chamaram a atenção:

"...porque fazer é melhor do que dizer o que faria. " (página 16)
"Não adianta reclamar, o que preciso fazer é agir. " (página 24)
"Tudo é confiscado. Não há liberdade, só há regras. " (página 52)     
     
        Aqui nós teremos contato com o outro lado do terrorismo, e muitas vezes eu me peguei dando razão aos terroristas da história, fiquei muito chocada com isso, afinal sempre que temos contato com algum terrorismo, só vemos o lado, supostamente do "bem". Não sou de falar de intertextualidade, mas nesse caso eu preciso falar, pois há a presença de dois livros maravilhosos e reconhecidos mundialmente, são esses:

 Émile Zola - Germinal
 Antoine de Saint-Exupéry  - O Pequeno Príncipe

       Quando você acaba a história ainda tem algumas páginas escritas e nela, Alana explica da onde veio a inspiração para escrever essa história, resumidamente ela estudando para o ENEM, mais especificamente história, teve o contato com esse tipo de enredo, ela trocou os nomes dos personagens e montou a história como se ela soubesse o que se passava na cabeça de Seth que é o nome que ela deu para Gavrilo Princip, os outros personagens receberam outros nomes também.
       Então é isso, espero que tenham gostado, por favor deixe sua opinião. Mas espere que ainda não acabou, aqui abaixo vão as redes sociais da autora para vocês seguirem, curtirem e claro ficarem por dentro caso ela escreva outro livro. Beijos e até mais.